Nosso templo

A concepção arquitetônica dos templos bizantinos e nosso padrão de culto se empenham em criar uma atmosfera de adoração, elevando a mente e a alma do fiel em adoração para o Reino de Deus por meio de todos os seus sentidos sensoriais. O padrão de culto bizantino é apostólico na origem e claramente se desenvolveu a partir do culto do Templo e da sinagoga judaicos revelado pelo próprio Deus nas Escrituras como um “exemplo e sombra das coisas celestiais” (Hebreus 8,5), ou seja, o culto de oração que continua no céu “sem cessar” (1 Tessalonicenses 5,17). A abside ou “útero” nos recorda a Encarnação do Deus-Homem, através de Maria, a qual vemos nos convidando para seu [Leia mais...]

Características típicas da Igreja Oriental

Enumeremos algumas características típicas da Igreja Ortodoxa [e das Igrejas católicas orientais], que, apesar de sua diáspora pelo Ocidente, continua sendo essencialmente oriental, tanto na mentalidade quanto na tradição: * É a forma menos normativa e menos conceitualizada do cristianismo. Como afirma Boulgakoff, para conhecê-la há que dizer: "Vinde e vede". * É a forma mais próxima às origens do cristianismo, e isto lhe dá um sabor um pouco arcaico, mas ao mesmo tempo certo frescor evangélico, por sua proximidade às fontes e por seu ar semítico, primitivo, inclusive um tanto veterotestamentário e, às vezes, conservador. * É a forma mais escatológica do cristianismo, e com menos risco [Leia mais...]

Teologia e Espiritualidade das Igrejas do Oriente e do Ocidente

Uma primeira abordagem implica reconhecer que as Igrejas do Oriente e do Ocidente desenvolveram teologias e espiritualidades diferentes, que se desconhecem mutuamente e que tendem a se opor quando, na verdade, deveriam se complementar. Vejamos alguns destes diferentes “sotaques”, na opinião de Paul Evdokimov, um dos autores que melhor tem sintetizado o espírito da Ortodoxia: * O Oriente fala da participação da natureza divina e possui uma visão sintética da fé. * O Oriente mantém a seiva bíblica, patrística, sapiencial e mística, enquanto que o Ocidente inclina-se pelo método analítico e a razão teológica. * O Oriente não tem desejos de definir, prefere não definir, enquanto o [Leia mais...]